Confusão mental

Como achar um equilíbrio entre o que eu quero e o que eu tenho?
Sabe, eu sei que o Meza gosta de mim. Do jeito dele, fechado, sério, ele consegue demonstrar isso.
Ele sempre muda quando eu digo algo que não me agrada, e vejo um esforço grande da parte dele por melhorar sempre.
Mas nem de longe ele é o que eu havia sonhado. Eu sonhei com alguem romântico por natureza, alguém que eu não precisasse ensinar como lidar comigo.
Alguém que me entendesse. Que me mandasse bom dia e me ligasse sem hora marcada.
Alguém que me mandasse fotos bobas ou áudios idiotas. Só pra mostrar que se importa.
Alguem menos sério e racional, talvez?
E é aí que eu fico confusa.
As vezes eu agradeço pelo Meza ser do jeitinho que é, pq eu amo. Amo o modo como ele consegue ficar na realidade, independente do que aconteça. Amo quando ele diz que me ama, talvez pq eu perceba que ele não fala nada só pra  agradar. Amo nossas ligações, pq sei que são raras.
E as vezes eu pego um ódio mortal dele, pelos mesmos motivos. Por que as ligações tem que ser raras? Por que ele não consegue ser um pouco mais fofinho, por que ele é essa pedra de gelo, esse muro, essa coisa difícil de alcançar?
Por que ele não pode ser como eu sonhei?

A eterna mania

De me achar menos. De não acreditar que as pessoas realmente possam gostar de mim, ou ser minhas amigas.

Todas as vezes que alguem demonstra, por pouco que seja, que gosta de mim, pra mim é uma surpresa tão grande, que eu nunca sei como reagir. Eu fico estática, sem acreditar, procurando razões ocultas pra explicar.

Talvez a pessoa estivesse querendo fazer boas açoes, talvez ela quisesse me zoar, talvez ela estivesse carente. Nunca acredito que eu mereço.

Isso é tão absurdo… Absurdo pq eu queria acreditar que essas pessoas que eu amo e admiro sentem o mesmo, que elas estão sendo sinceras, mas fica sempre uma voz me falando o quanto isso não é possível.

E essa voz machuca muito, pq infelizmente nela eu acredito. Às vezes falando alto, às vezes sussurrando, às vezes conversando, mas sempre, sempre presente.

Eu só queria poder calar essa voz, acreditar que eu sou igual, que se os outros merecem amor eu também mereço, todos merecemos.

Acreditar que meus amigos me amam, que um cara algum dia será legal o suficiente pra ficar, que minha mãe não somente me atura, e todos os outros dramas que crescem aqui.

Dias vazios

Acordo sem vontade de acordar, como sem vontade de comer, saio sem vontade de sair.
Insira aqui todos os verbos que usamos no nosso dia a dia.
Queria tanto acabar com isso, com essa vida sem vida, com essas horas, esses minutos…
Queria deixar tudo pra lá, queria dormir e não acordar, queria poder parar tudo, não sentir não saber, só colocar um ponto final em algo que não tinha nem que ter começado.

Love is

image

“Amor é…

Colocar você em primeiro lugar, não importa como. “

Tradução livre. Mas dá pra pegar o recado.

Das coisas que eu não aprendo

Não corte seu cabelo sozinha.

Eu falo isso desde sempre. Desde que me entendo por gente eu corto meu próprio cabelo, e desde esse tempo não dá certo. Depois de perder mais centímetros do que o necessário (pq obviamente eu corto, acho que tá torto, vou acertar e faço mais merda, num ciclo sem fim) eu olho no espelho e me prometo não mais cortar o cabelo sozinha, coisa que eu nunca cumpro.