Cartas que eu não mando

Eu ainda não superei minha mania de cartas. Tenho várias espalhadas pelos diários que coleciono. Fora as que tenho aqui, as em folhas soltas, as em documentos do Word nunca enviados.

Geralmente eu as escrevo quando estou triste, chateada, ou coisa assim. As coisas que escrevo são aquelas que não tenho coragem de falar, aquelas que eu acho que as pessoas deveriam saber, mas eu tenho medo de mostrar. Medo de ser tida como boba, medo de incomodar, medo de parecer besta, medo.

Esse medo sempre me assolou, sempre.

Enfim.

Dessa vez eu escrevi umas cartas pro mapm, e provavelmente eu as enviarei, até porque eu acho que ele vai ~terminar~ comigo mesmo. Escrevi duas, e mandarei junto. Uma escrevi no calor do momento, estressadíssima, tudo dando errado, ele daquele jeito dele meio louco, eu meio carente, tem dias que não bate. A outra eu já estava com a cabeça no lugar e sabia que a primeira deve ter ficado meio “QQQQ???” porque eu me perco fácil.

Enfim. Espero que ele entenda. se ele ainda não tiver terminado comigo quando as cartas chegarem, ele vai lê-las e achar que eu sou completamente pirada. Ou ele aceita ou foge.

Vai ser bom que ele saiba onde está se metendo. (Se bem que eu desconfio que ele tem uma certa ideia)

Bem, deixo esta música  aqui também. Me apaixonei assim que ouvi, é minha cara.

cartas.meza

As cartinhas. A amarela é a louca, a azul a contida.

Não doeu

Estranho. Muito estranho. Mas um estranho bom.
Uns meses atrás eu vi seu perfil no fb, pq sempre aparece aquele “você conhece sei lá quem” e eu sempre evitava clicar, mas dessa vez não consegui. Queria ver como eu reagiria. Olhei muito, várias fotos, e eu fiquei incomodada, claro, mas não doeu. Não me fez chorar como naquela vez que chorei o dia todo no trabalho por ter te visto na rua. Vi que tinha melhorado um pouco. Enfim.
Ontem no trem com uma amiga te vi entrar em outro vagão. Na hora eu gelei, claro. Fiquei com medo de estragar o meu dia, um dia tão planejado, tão querido.
Mas graças a Deus, não estragou.  Fiquei apreensiva, e se você mudasse de vagão? E se me ele me reconhece? E se não reconhece? Se quiser falar?
Mas eu vi que passou. Continuamos a viagem, continuamos cantando e de boas.  E quando eu desci e vi você continuando, eu vi que agora pra mim já passou. Tarde, mas passou. Antes tarde do que nunca, não?
Eu realmente espero, Tino, que eu nunca mais te veja, mas se nos vermos não vai me afetar tanto como já afetou. E sou grata por isso.

Off: engraçado, na época que tudo aconteceu meu melhor amigo era o JH. Blz. E ele sempre me falava que o Tino não gostava de mim, que estava me iludindo, mas ooooobvio que não, ele me amava e o JH era um chato. Arran, senta lá idiota. Enfim, eu e JH nos afastamos, vida levou, anteontem ele mandou msg, ontem aparece o Tino. Pqp. Odeio essas coincidências.

Falta de noção mandou lembranças

Então temos um menino aí, o Deliciossa. Somos ~amigos~ faz um tempo, um bom tempo. Ou seja, conheço a peça. Pois bem. Entrou pra igreja, participa do coral, tá lá batendo ponto quase todo dia. Nada contra, se te faz feliz, OK. Mas o bonito apesar de ser o novo santo do ano, continua na mesma pegada de antes, quando era “do mundo”.
Eu já fui da igreja. Não estava dando, não estava seguindo o que tinha de seguir, saí.
Agora o bonito cismou que precisa me salvar das garras do inferno do diabo e da escuridão, etc, etc.
Gente. Por favor. Se acerta primeiro, depois tenta salvar os outros.
Até parece que eu não sei que só é santo quando interessa.