Como é que a gente supera?

Eu tenho pensado demais na gente, e acho que é porque o “a gente” já não existe faz tempo, e porque eu percebi, finalmente, que não existirá mais. Mas mesmo assim tudo me faz lembrar dos momentos legais, que foram ótimos,  mas sempre se perdiam no meio das sus crises e sumiços. Eu sempre relevei tanta coisa, que agora me parece errado não te procurar e relevar, relevar, apesar de saber de toda dor que dá. 
Eu vejo as fotos dos lugares que eu sempre sonhei ir e acabei indo com você, eu ouço as músicas que eu dedicava à nós dois, os desenhos que eu fiz, e eu me sinto perdida. 

Ainda é difícil acreditar que se eu quiser estar com alguém não será você, me parece errado, sabe? Como se eu tivesse traindo a gente. Me dá uma agonia pensar em conhecer uma família que não é a tua, que meu Deus, parece que o mundo vai acabar. E de certa forma acabou né? O nosso.

Fica cada dia mais certo que isso não tem futuro e que eu perdi nossa última chance. Eu desisti dela. E por mais que eu pense que eu coloquei tudo pra perder, só eu sei o quanto eu precisava desse fim, e por mais que eu sinta tua falta (e como eu sinto), eu jamais teria feito diferente. Não era pra ser, não naquela hora, não naquela versão de nós dois.

Para o Meza, o dono dos meus pensamentos.

Anúncios

Arrrgh

Por que me fizeste tão inquieta, Deus?

Custava eu ser dessas que se contenta com as palavras não ditas, que aceita que as coisas são como são, que certas coisas não mudam e que às vezes o único caminho é seguir e seguir, sem olhar pra trás e sem se preocupar?

Custava ter me feito com uma mente mais calma, sem sobressaltos, sem cantos escuros, sem essa vontade de descobrir o mundo e de desvendar as mentes alheias?

Custava eu não ser tão elétrica, tão confusa, tão carente de respostas que às vezes nem os outros podem me dar?

Custava?

Eu sou um alguém que chora

É muito feio chorar se alguém diz que você é forte? 

Hoje um colega de faculdade me disse isso. Em um tom de elogio. Mas isso acaba comigo. Não é a primeira vez que me clasificam assim. E eu odeio quando o fazem.

Porque se por fora eu aparento estar forte e ok, na real por dentro eu sou só cansaço e covardia. Covardia por não ter coragem de acabar com isso logo, ficar acordando e vivendo e seguindo como se eu não tivesse opção, só por ser covarde e não seguir o outro caminho. 

Eu odeio aparentar ser forte.

Ciumenta, larga de ser tão ciumenta 

Hahahaha

O Lapeiro postou fotinha no Insta, primeiro comentário, de uma mina: bla bla bla (nem li essa parte), “te amo”.
Virada no giraya, bolada, (pq mesmo?) fui fuçar a vida da menina pra descobrir quando tudo começou e quando seria o casamento, com sorte até descobriria o nome das crianças.

Pois bem, é irmã dele. 

Mariana respira sem ajuda de aparelhos. 

Segue o baile

Se tem algo que eu preciso aprender nessa vida, é isso. Seguir o baile.

As coisas já passaram, já não tem jeito, já foi, tá feito, e eu continuo sofrendo e me descabelando e sofrendo e imitando a Alcione no por queeeeeeeeeeee

Porque sim, uai. Ou porque não. Porque o outro não quis, porque não teve química, porque a ex voltou, porque… Mil e um motivos, que dizem respeito ao outro, não a mim. Ou melhor, seria bom que fosse compartilhado, mas não vivemos no fantástico mundo de Bob.

Essa necessidade de controle e necessidade de saber só faz mal a una pessoa, e essa pessoa sou eu. 

Desapega gatinha. Segue o baile. 

Carta ao aniversariante – Meza 

Seu aniversário é dia 01 de fevereiro, e hoje é 31 de janeiro. Pra mim ainda não é seu dia, mas onde você está já é. Então, eu já estou em cócegas hahaha

Pensei muito se te mandaria mensagem hoje ou amanhã, e me decidi por não mandar, apesar de querer muito. 

Apesar de tudo, ainda te quero demais, e ficar mexendo em feridas que não foram cicatrizadas não me fará bem algum. 

Mas é horrível perceber que a pessoa que eu mais amei me fez tão mal e que é melhor pra mim ficar distante. Odeio esse sentimento, esse querer sem poder.

Você foi e ainda é muito importante pra mim e eu ainda quero tudo de bom pra tua vida, e eu ainda penso muito na gente e você foi fundamental pra mim. Mas é isso. 

Ainda não te agradeci pelos dias bons e pela tua paciência neles, nem por tudo que me ensinaste naqueles anos. Não tive chances. Fica aqui o recado. 

Obrigada. 

A volta dos que não foram

Ou: a incrível capacidade do sr. Tall de ir voltar como se nada tivesse acontecido

Eu sempre me envolvendo com caras loucos, impressionante. O sr. Tall apareceu, estamos conversando, e pra mim de boas. Mas ainda me incomoda não saber exatamente o que ele pensa ou pensou. Enfim. 

Eu e minha mania de querer explicação pro que não tem explicação. 

Passou, passou, aconteceu, já era. 

Só preciso me acostumar com isso. 

Entradas Mais Antigas Anteriores